História: Uma Praça

Por Fábio Sena em 13.07.2020 às 11:51


Por Ruy Medeiros

A primeira praça de Vitória da Conquista ainda é uma praça “nova”, viva. Mantém-se “nova”, apesar do tempo. É verdade: o sítio hoje conhecido com o nome da praça Tancredo Neves tem arruamento a partir do último quartel do século XVIII, no mínimo. É certo que ofício de 1780, firmado pelo Governador Manuel da Cunha Menezes, menciona um “rancho com mais de 60 pessoas”, cujos habitantes viviam “rodeados de fazendas de gado”. A palavra rancho significa aglomeração de pessoas e o fato de o documento dizer que aquelas pessoas viviam rodeadas das fazendas de gado, estabelece a distinção entre um sítio (lugar) em que estavam pessoas e as fazendas de gado.

A velha praça tem, portanto, mais de duzentos anos.

Em 1817, o príncipe naturalista, Maximiliano de Wied Neuwied, ali esteve: O “arraial da Conquista” cabia todo dentro da área hoje ocupada pela praça iTancredo Neves. Diz o príncipe: “Arraial da Conquista, principal localidade do distrito, é quase tão importante como qualquer vila do litoral. Contam-se aí umas quarenta casas baixas e uma Igreja em construção”. Como se vê, apenas 40 casas. Isso, pela estrutura da população da época, significa em torno de 240 a 280 pessoas. Ali estavam “fazendeiros”, índios domésticos, donas de casa e desocupados.

Não é muito difícil saber porque o “arraial”, hoje praça, fixou-se ali: A presença da água o explica. As casas foram edificadas com os fundos (quintais) voltados para a beira do córrego da Vitória (ou córrego do Poço Escuro), em verdade o trecho inicial do rio Verruga. E o arruamento seguiu o rio, quer obedecendo a altura das margens, quer obedecendo suas curvas. O arraial, depois Vila, depois Cidade, nasceu com ruas tortuosas. Durante bom tempo, a partir de 1840, toda a sede da Vila foi apenas o sítio da praça.

Depois, a população adensou-se a partir daquele centro, porém longe das margens do córrego, ou riacho, mas não tão longe. Já por volta de 1840 sabe-se da existência de casas assentadas em local, na praça, não coladas ao rio, ou cujos quintais não eram banhados pelo córrego da Vitória. Mas foram deixados becos ou travessas para garantir acesso à água do riacho, ou córrego.

Uma extensão grande, ocupada, já havia em o último quartel do século XIX. A praça, que coincidiu com o próprio centro “urbano” da Vila, ocupava todo o espaço que vai do lugar onde está hoje a Igreja Matriz até o local atualmente ocupado pelo templo Batista. Era uma grande praça a Imperial Vila da Vitória. Becos e ruas surgiram perpendiculares às margens do rio ou, em continuidade, ocupando com casario o início dos caminhos vicinais.

Os antigos deram-lhe o nome de “Rua Grande”. A denominação de praça da República veio muito tempo depois. Em 1940, Laudionor Brasil, poeta, ainda homenageava a rua Grande.

Mas é na década de 40 deste século que a praça, ou rua Grande sofre uma brusca intervenção desfigurante: Em seu “miolo” foi permitida ocupação e a praça foi dividida. Em lugar da antiga rua Grande ficaram duas praças – as atuais Tancredo Neves e Barão do Rio Branco e as ruas Maximiliano Fernandes e Zeferino Correia. Não se podia falar mais em rua Grande.

O espaço que compreende a antiga rua Grande sempre foi dinâmico e polivalente: local de moradia (e sempre foi “chique” morar na praça), de comércio, de lazer, ou de “demonstrações cívicas”.

Ali funcionou a feira livre com seu velho barracão. Ali estava a Casa da Câmara. Ali residiam pessoas. Ali realizavam-se comícios, desfiles escolares. Ali, às vezes, circos mambembes levantavam mastro. Enfim: Praça do faz de tudo.

Do tempo da velha rua Grande, como a atestar identidade, estão ainda algumas casas, como a casa de Henriqueta Prates, a casa de Pompílio Nunes, a bela casa de D. Antonia Fernandes Santos Silva, e outras. E também as mais antigas palmeiras imperiais, plantadas em 1940, dizem, pelas mãos de João Miguel Lourenço. Há, no entanto, algumas mais novas, já da reforma dos anos oitenta.

Mas esta praça tão antiga teima em ser sempre nova. Não quer decair. Continua espaço de lazer, passeios, de moradia, de comércio e, às vezes, cívico.

É verdade que sofreu alterações em seu centro. Já abrigou velhos pinheiros. Na década de 50, foi seu jardim transformado em “Parque e Jardim das Borboletas”. Aí havia o Zoológico, até com onça (dizem sempre para impressionar). Mas o sucesso eram os macacos Cazuza e Simão. Parque infantil? – Sim havia. Mais: sucesso complementar: Foi também construída a fonte luminosa com sua vênus no alto e no centro, a despertar sonhos na meninada. Perto da fonte luminosa (que gerou anedotas vitimando incantos que levavam – seria verdade? – frascos para colher água vermelha, verde ou azul) – perto da fonte luminosa estava a “Cidade dos Pássaros”, viveiro com 149 m2. Bancos ofertados por pessoas. Ficus Benjamim que tiveram de ser destruídos para que não abrigassem “Lacerdinhas”.

Depois, a Biblioteca Infantil ali chegou e foi tão criminosamente desativada após. Monteiro Lobato ficou sem a homenagem e teve diminuído o número de seus leitores.


Mas é assim mesmo. Um sempre fazer.

Onde estão os “patins ingleses” que Giovanni Binneli alugava para o “ringue de patinação” que conseguira, no final dos anos quarenta, construir na Praça? . Sumiram, como depois sumiriam Zoológico, Parque, Biblioteca, viveiro de pássaros, macacos Tião e Cazuza imoralíssimos, se os animais podem ser julgados.

Na década de 80, já cansado o velho jardim, o prefeito mudou o nome da praça para Tancredo Neves. Siberia Correia e Ana Maria Domingos desenham novo jardim – alguma coisa romântica plantada neste vasto Sertão da Ressaca. A praça que não perdera vida, ainda ficou mais nova. E continuou polivalente.

Realmente, esta praça não quer ficar velha. Mesmo a velha Igreja que João Gonçalves e sua família construíram alí foi substituída por uma nova.

A praça parece que quer mandar um recado: A consciência não deve envelhecer, sob pena de perder identidade.

Velha rua Grande, retoma o teu nome e continua sempre jovem. “Verde, que te quero verde”.

Publicado originalmente em 23 de Dezembro de 2008

Deixe seu Comentário