Museu Vivo do São Bento promove live “O acervo no sagrado e o sagrado no acervo”

Por Fábio Sena em 10.11.2020 às 02:18


O Museu Vivo do São Bento promove nesta terça-feira (10), às 16h, a #MVSBLive “Cuidando do nosso sagrado”, no Facebook e no Youtube da entidade. A live é uma parceria com o Museu da República e trará a historiadora e educadora Deise Guilhermina da Conceição em conversa com Graça Teixeira e Maria Helena Versiani sobre “O acervo no sagrado e o sagrado no acervo”.

O Museu Vivo do São Bento é um Ecomuseu de Percurso, primeiro instituído na Baixada Fluminense. Foi criado em 2008 a partir da reivindicação de profissionais da Educação e dos militantes culturais caxienses. Concebido a partir dos princípios da Nova Museologia, articula a defesa do patrimônio, a intervenção na realidade social, ambiental, econômica e cultural do território e o envolvimento das comunidades locais nessas questões, afirmando e confirmando, portanto, o sentimento de pertencimento e as ações dos sujeitos construtores do seu tempo.

Há mais de 20 anos o atual percurso do Museu Vivo do São Bento é visitado por alunos, professores, moradores, pesquisadores, brasileiros e estrangeiros, que, transitando pelas diferentes marcar deixadas pelos homens, realizam um esforço de leitura dos vestígios materiais e do próprio território, decifrando, interpretando e afirmando a importância desses lugares de memória como bens históricos e culturais, como patrimônio a ser preservado.

DEISE GUILHERMINA é doutora e mestre em Educação formada pela UFF, linha de pesquisa “Negro e Educação”. Formada em História e especialista em História do Brasil. Professora da Rede Municipal de Educação de Duque de Caxias e da Rede Municipal de Educação do Rio de Janeiro. Pesquisadora do Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira, desenvolve pesquisa sobre a trajetória de jovens negros.

GRAÇA TEIXEIRA possui Pós-Doutorado em Sociomuseologia pela Universidade Lusófona de Humanidades e Artes – Lisboa – (2018-2019). Doutorado em História pela Universidade Federal da Bahia (2007). Mestrado em Artes Visuais pela Universidade Federal da Bahia (1999). Atualmente é Professora Associada III da Universidade Federal da Bahia. Coordenou o Museu Afro-Brasileiro da UFBA entre 2011 e 2018 e lá desenvolveu projetos de curadorias participativas em exposições e nas demais atividades museológicas, utilizando-se da bandeira de enfrentamento e denúncia às práticas do racismo.

MARIA HELENA VERSIANI atua no setor de Pesquisa Histórica do Museu da República e responsável pela documentação histórica da Coleção Nosso Sagrado; possui Mestrado e Doutorado e Pós-doutorado no campo das relações entre História e patrimônio Cultural. Autora de “Criar, ver e pensar: um acervo para a República” e “Meu coração bate feliz: A Seresta do Museu”.

Deixe seu Comentário